Câmara em Foco: Tribuna Livre discute sobre violência política contra as mulheres negras e endometriose

DA  redação
A Tribuna Livre da sessão ordinária desta terça-feira (23) da Câmara Municipal de Cuiabá discutiu sobre violência política contra as mulheres negras e sobre os exames preventivos, diagnóstico e tratamento da endometriose.
A enfermeira e militante do movimento Mulheres Negras, Simone Ribeiro Lima, foi convidada pela vereadora Edna Sampaio (PT) para falar da representatividade da mulher negra na política.
“A representatividade de mulheres negras em todos os espaços da sociedade, e isso inclui a política, garante a defesa dos direitos e da igualdade. Apesar dos avanços conquistados pelos movimentos de mulheres negras nos últimos anos, percebemos que a diversidade racial não é uma realidade na sociedade brasileira”, disse a enfermeira.
A personal trainer especialista em saúde da mulher, Fabiane Viviane de Moraes Martins, e o médico e presidente da Associação Mato-grossense de Ginecologia e Obstetrícia, Angelo Barrionuevo, foram convidados pela vereadora Michelly Alencar (DEM) para falar sobre a endometriose.&nbsp

 

“O diagnóstico preciso e precoce evitam os danos na saúde da mulher, de fertilidade, na relação sexual, é importante olhar para as mulheres. Pois, quanto mais tardio, mais compromete a fertilidade da mulher, a qualidade de vida”, conta a personal.
 
“É considerada uma doença crônica, não é fácil fazer diagnóstico de endometriose, temos vários fatores envolvidos. Um deles é que a cultura de que a cólica é algo da mulher, muitas vezes a paciente começa no início do seu ciclo menstrual com muita dor, com muita cólica e culturalmente a mãe mesmo diz ser normal, que faz parte. É uma doença que traz grande desconforto e até altera diretamente na vida da mulher. Temos uma série de problemas que precisamos solucionar para ajudar esta população”, explicou o médico.

Rufando Bombo

Matéria anterior

Emanuel Pinheiro agradece a lealdade de Stopa, veja o vídeo

Próxima matéria

Pivetta volta a assumir o Governo por três dias neste domingo

[gs-fb-comments]