• 14 de outubro de 2019

Procon-MT instaura procedimentos sobre 27 postos de combustíveis, veja a lista aqui

Da redação com assessoria

Como resultado das operações em postos de combustíveis realizada entre os dias 23 de 29 de setembro, o Procon-MT instaurou procedimentos sobre 27 estabelecimentos. As irregularidades constatadas estão em fase preliminar, ou seja, o órgão aguarda informações requeridas junto aos fornecedores (ver lista) para instauração dos processos administrativos sancionatórios.

Cabe aos Procons a fiscalização quanto à relação consumerista, principalmente:

– Informação ostensiva sobre o direito ao teste de qualidade de combustível;

– Informação ostensiva relativas aos preços dos produtos e formas de pagamento;

– Afixação de cartaz com endereço e contato do Procon (municipal ou estadual);

– Afixação de cartaz de “Proibido fumar”;

– Disponibilização de exemplar do Código de Defesa do Consumidor (CDC) em local de fácil acesso;

– Emissão de nota fiscal;

– Informação do valor correspondente à totalidade de tributos federais, estaduais e municipais.

– Identificação do combustível comercializado em cada bomba abastecedora;

– Não comercialização de produtos vencidos;

Em relação aos estabelecimentos com irregularidades, os fiscais do Procon devem realizar a autuação dentro do prazo estabelecido no Decreto Estadual nº 1238/2017 – que é de 30 dias. No que se refere aos outros 10 postos fiscalizados, procedimentos serão arquivados, por não terem sido detectadas irregularidades no que tange a legislação consumerista.

A operação foi executada juntamente com a Agência Nacional do Petróleo (ANP), a Delegacia do Consumidor (Decon) e o Instituto de Pesos e Medidas de Mato Grosso (Ipem/MT – Inmetro), que fiscalizaram ao todo 177 agentes econômicos. 

Fica a cargo da ANP a fiscalização e divulgação quanto à qualidade do combustível, bem como correspondência entre a quantidade de combustível mostrada na bomba e a efetivamente colocada no tanque do carro. Os postos autuados/interditados pela ANP estão sujeitos às penalidades previstas na Lei 9.847/99. A interdição é a medida cautelar aplicada em algumas situações, como a venda de combustível com problemas de qualidade.

Foto reprodução via web

Rufando Bombo

Matéria anterior

Para líderes do Forum sindical decisão do STF sobre RGA não afeta MT

Próxima matéria

Deputada usa Tribuna da Assembléia de SP e dispara; “Sou puta, sou mulher “

Faça um comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *