• 1 de abril de 2020

Flamengo vira para cima do Al-Hilal e se garante na final do Mundial

O Flamengo está se especializando em viradas. Depois da emocionante vitória para cima do River Plate, na decisão da Libertadores, o Rubro-Negro precisou de um roteiro parecido nesta terça-feira, dia em que se garantiu na final do Mundial de Clubes, após a vitória por 3 a 1 para cima do Al-Hilal.

Arrascaeta, Bruno Henrique e Al-Bulayhi, contra, marcaram para o time brasileiro, enquanto Al-Dawsari descontou para os árabes.

O Flamengo vira agora um espectador, já que o seu adversário na decisão será conhecido apenas nesta quarta-feira, quando Liverpool e Monterrey se enfrentam. O duelo que definirá o novo campeão mundial está marcado para o próximo sábado.

O jogo
Como é normal em duelos tão importantes como esse, a partida começou tensa e estudada. A primeira chance surgiu apenas aos 14. Em um erro de saída do goleiro do Al-Hilal, a bola sobrou com Gerson, que arriscou de primeira e a bola passou muito perto do gol.

Mas como diz aquela famosa frase do futebol: “quem não faz, toma”. Na primeira oportunidade do time árabe, Al-Dawsari fez grande jogada individual e obrigou Diego Alves a fazer grande defesa. Na sobra, Gomis, na marca do pênalti, errou feio e perdeu uma chance inacreditável.

Porém, no lance seguinte, aos 17, Al-Dawsari não perdoou. Após jogada pela direita, o meia recebeu com liberdade e bateu de primeira. A bola ainda bateu em Pablo Marí e morreu no fundo do gol.

A desvantagem não abalou o Flamengo, que quase empatou aos 29. Arrascaeta acertou passe para Bruno Henrique, que ajeitou o corpo para chutar e foi travado por Al-Burayk no último instante.

E assim como na final da Libertadores, o clube brasileiro voltou bem melhor para a segunda etapa. E o empate saiu logo aos 3, em um gol com a cara do Flamengo. Gabigol fez a jogada e encontrou Bruno Henrique. O camisa 27 invadiu a área e cruzou na medida para Arrascaeta, que apenas empurrou para dentro do gol.

Era o que o Rubro-Negro precisava para passar a tomar conta das principais jogadas da partida. Após boas chances, a virada veio aos 32. Diego, que há pouco havia entrado no lugar de Gerson, encontrou Rafinha na direita. E o lateral cruzou na medida para Bruno Henrique, que, em uma bela cabeçada, colocou o Flamengo na frente.

E o camisa 27 voltou a brilhar. Aos 36, ele cruzou da esquerda e Al-Bulayhi mandou para dentro do gol ao tentar o corte, cravando de vez o Flamengo na grande final do Mundial.

Rufando Bombo

Matéria anterior

Fabrício Queiroz e ex-assessores de Flávio Bolsonaro são alvos de busca em investigação sobre rachadinha na ALERJ

Próxima matéria

Bugrelo, o fufu-de-veado/Por Wilson Pires

Faça um comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *