• 5 de dezembro de 2019

Falar de Guedes sobre AI-5 traz insegurança sobre intuito do governo, diz Maia

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou nesta terça-feira a fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, que justificou falas sobre um novo AI-5 em caso de manifestações mais radicais no país, e disse que falar recorrentemente no ato institucional editado durante a ditadura e que marcou o endurecimento do regime cria insegurança na sociedade e em investidores.

Maia chegou a dizer que esperava que a intenção de Guedes não tenha sido defender o AI-5, mas que a fala do ministro cria dúvidas sobre as intenções do governo do presidente Jair Bolsonaro.

“Acho que gera uma insegurança na sociedade e principalmente nos investidores. Por que alguém vai propor AI-5 porque o ex-presidente Lula –que eu acho que está errado também, porque está muito radical– estimula manifestação de rua? O que uma coisa tem a ver com a outra? Nós vamos estimular o fechamento do Parlamento, o fechamento dos direitos constitucionais do cidadão como o habeas corpus? Porque foi isso que o AI-5 fez de forma mais relevante. É isso que estamos querendo estimular? Tem uma manifestação de rua a gente fecha as instituições democráticas?”, disse Maia ao sair de um seminário na Câmara.

O presidente da Câmara disse ainda que o argumento usado por Guedes não faz sentido e “acaba gerando insegurança em todos nós sobre qual é o intuito por trás da utilização de forma recorrente dessa palavra”.

Em uma entrevista na embaixada do Brasil em Washington, o ministro disse que era uma irresponsabilidade da oposição chamar manifestações para “quebrar tudo”, citou o discurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como incentivador de manifestações e disse que os brasileiros então não podiam “se assustar” se alguém pedisse um AI-5.

O Ato Institucional número 5, decretado pela ditadura militar em 13 de dezembro de 1968, fechou o Congresso e as assembléias estaduais, suspendeu garantias constitucionais como o habeas corpus e permitiu a cassação de mandatos e dos direitos políticos de quaisquer cidadãos.

Maia ressaltou que, mesmo que a intenção de Paulo Guedes não fosse a de defender uma medida semelhante, “tudo que você acaba tendo dificuldade de explicar para a sociedade é ruim.”

Rufando Bombo

Matéria anterior

Câmara de Cuiabá cria CPI para investigar suposta sonegação fiscal de 300 milhões por instituições financeiras

Próxima matéria

Prefeitura entrega uma nova área de lazer para os moradores do Parque Cuiabá

Faça um comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *