• 13 de novembro de 2019

Deputados novatos apoiam servidores públicos em protesto na Al

Os servidores públicos estaduais ocuparam há pouco a Assembléia Legislativa para impedir as sessões extraordinárias que estava prevista para acontecer nesta terça-feira, 22, para votar a reforma administrativa, que segundo os servidores públicos desfinanciaria as políticas publicas, concentraria poder, além de congelar os salários dos servidores.

A sessão estava prevista para às 17h, no entanto a Assembléia ainda não se pronunciou se haverá por conta da ocupação.

Para Edna Sampaio, vice-presidente da Associação dos Docentes da Unemat (Adunemat), os servidores ocuparam o interior da Assembleia para impedir que os deputados que nao foram reeleitos votem os projetos que vão mudar o futuro do Estado de Mato Grosso,

O deputado eleito Lúdio Cabral (PT) se pronunciou na bancada do plenário a favor da ocupação e reafirmou que “trata-se de uma ocupação legítima, ainda com seu apoio para seguir na luta. Os deputados eleitos João Batista (PROS) e Thiago Silva (MDB), além da deputada reeleita Janaína Riva (MDB) também se fizeram presentes no plenário da Assembleia.

Estão ocupados pelos servidores, o plenário, o interior da Assembleia, o saguão e o pátio externo. Em vídeo, os servidores reforçam se tratar de uma ocupação pacífica e convocam todos os servidores a irem para Assembleia para fortalecer o movimento de ocupação e resistencia contra um possível desmonte que Mauro Mendes fará ao Estado.

Neste momento, os os sindicatos e o fórum Sindical estão reunidos para definição das pautas da ocupação, para então apresenta-las ao presidente da Assembléia, o deputado Botelho. A ocupação não tem data prevista para término, mas os Sindicatos marcaram a entrevista coletiva para imprensa ás 17h, na Assembléia Legislativa.

Rufando Bombo

Matéria anterior

“Persona não grata” Servidores protestam contra presença de Eder Moraes em audiência pública

Próxima matéria

Como Assim…Mauro afirma que durante campanha e transição não teve dimensão real da crise em MT

Faça um comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *