• 22 de janeiro de 2020

Caso Elizabete ; Juca do Guaraná vai processar judicialmente Abílio Jr.

O vereador Juca do Guaraná (Avante) garante que irá acionar o seu colega de parlamento na Justiça por dano moral, e ainda afirma que entrará com uma representação no Parlamento Municipal pedindo a sua cassação.

Conforme o parlamentar, nos próximos dias a sua assessoria jurídica irá impetrar com uma ação por dano moral contra Abílio, tendo em vista o constrangimento pelo qual ele e sua família passaram devido às acusações feitas pelo parlamentar.

“O lar é um lugar inviolável. Ele ultrapassou todos os limites e constrangeu de forma pública a mim e a minha família. Vou buscar a reparação na Justiça”, afirmou.

Além disso, Juca garantiu que também irá protocolar com uma representação no próprio Parlamento Municipal pedindo a cassação de seu mandato.

A medida é reflexo das declarações da servidora pública da saúde municipal, Elizabeth Maria de Almeida, que na última terça-feira (07) prestou depoimento junto a Delegacia de Combate aos Crimes de Corrupção (Deccor), onde denunciou uma suposta “armação” articulada pelo parlamentar contra o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB).

Inicialmente, a funcionária pública havia acusado o chefe do Executivo Municipal de subornar diversos vereadores, em especial os integrantes da Comissão e Decoro Parlamentar do Legislativo, durante uma festa realizada na residência do vereador Juca do Guaraná (Avante).

A intenção, segundo ela, era cassar o mandato de Abílio. Elizabeth chegou a dizer que presenciou o pagamento e teria provas do ato criminoso.

A acusação foi feita durante depoimento prestado por Elizabeth na própria Comissão de Ética, onde ela foi arrolada como testemunha de acusação pelo denunciante, o suplente de vereador Oseas Machado (PSC).

Diante dos fatos narrados pela servidora, o tema foi levado ao Ministério Público Estadual e a Delegacia Fazendária (Defaz) para apurar o caso.

Abílio se disse surpreso com a nova versão da servidora pública do município. “Pra mim é uma surpresa. Numa semana ela diz que estão armando contra mim, que estão até distribuindo dinheiro na casa do Juca com o Prefeito para cassar meu mandato. Na outra semana ela diz que tem provas. Na outra semana diz que está mal de saúde. E agora diz que eu estou armando. Até onde eu saiba a investigação está sob sigilo, não fui notificado de nada, ela que procurou a polícia. Eu já me coloquei a disposição da polícia, não sei por que ela mudou de opinião. Agora está com a polícia e com a mulher para provar tudo isso”, diz Abilio.

O depoimento da servidora na Deccor durou aproximadamente três horas. Na oportunidade, ela entregou o celular com imagens e outras mídias ao delegado José Ricardo Garcia Bruno, responsável pelo inquérito.

Entre os vídeos, está um encontro da servidora com o vereador Abílio no Hotel Delmond, na noite de 26 de novembro. Na ocasião ainda estariam presentes quatro advogados.

O referido encontro teria ocorrido no dia anterior ao registro de um boletim de ocorrência na Defaz, pela própria servidora. No depoimento prestado nesta semana, entretanto, a funcionária pública mudou a sua versão e confessou que não esteve na casa do Juca do Guaraná.

O boletim de ocorrência foi encaminhado pela Defaz à recém-criada Deccor, unidade responsável por investigar esse tipo de caso.

Fonte Kamila Arruda diário de Cuiabá.

Rufando Bombo

Matéria anterior

Ex-vereador é morto a tiros dentro de carro

Próxima matéria

Desembargador manda tirar do ar especial de Natal do Porta dos Fundos

Faça um comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *